Castel Sforzesco de Milão: Senhorial edifício da nobre família Sforza

Viajando pela Europa, conheci inúmeros castelos. Um deles, muito belo e senhorial, é o Sforzesco, localizado atualmente dentro da própria cidade de Milão, na Itália.

Não tive tempo de ler nada sobre ele, apenas entrei, admirei e saí. Infelizmente, todos os móveis haviam sido retirados do edifício.

Pertence à nobre família Sforza, que reinou na região da Lombardia. Sforzesco quer dizer propriedade dos Sforza.

É um castelo com grandes torres, edificado com pedras lavradas de modo muito bonito.

As pedras ficam em seus quatros lados, não pontudas propriamente; mas vão se elevando até formar uma crista redonda no centro.

E o tempo tornou a pedra meio dourada.

Pátio interno

Uma visão muito bela do edifício é percebida em seu pátio interior, todo cercado de muralhas.

Dentro dele perdia-se completamente a noção da cidade. Tinha-se a impressão de estar no campo.

O pátio estava ligeiramente ajardinado, com um agradável négligé poético e encantador, que os italianos sabem pôr nas coisas.

Quando se falava numa extremidade do pátio, ouvia-se o eco na outra.

Tinha-se a impressão de ecos do passado, que ainda repercutiam em nossos dias.

O castelo possuía em alguns lugares pontes levadiças, e em torno dele havia um fosso. Quando o inimigo se aproximava, levantavam-se as pontes.

Com o tempo, desaparecendo as guerras urbanas, as pontes levadiças ficaram permanentemente abaixadas.

Torre central

As traves e as correntes que suspendiam as pontes foram caindo em desuso e acabaram apodrecendo. Foi um erro, pois não deveriam ter permitido que isso acontecesse.

Em vista desse desleixo, em alguns lugares via-se um buraco no local que tinha servido para alojar as traves e as correntes.

Turistas passavam olhando através desses espaços vazios sem entender nada.

De repente, um deles viu através de um desses buracos um automóvel velho. Voltou-se para a esposa e disse: “Olha a marca daquele automóvel …”

Sintoma frisante de vulgaridade! Diante de uma coisa maravilhosa como as muralhas daquele castelo, o turista prestou atenção na marca de um carro…

A beleza grandiosa de um edifício multissecular não era captada pelo homo hodiernus, fascinado pela mecânica.

GLÓRIA CRUZADAS CATEDRAIS ORAÇÕES HEROIS CONTOS CIDADE SIMBOLOS
Voltar a 'Glória da Idade MédiaAS CRUZADASCATEDRAIS MEDIEVAISORAÇÕES E MILAGRES MEDIEVAISHERÓIS MEDIEVAISCONTOS E LENDAS DA ERA MEDIEVALA CIDADE MEDIEVALJOIAS E SIMBOLOS MEDIEVAIS

Behind the scenes with the Staffordshire Hoard

BURIED away deep within Birmingham Museum and Art Gallery is a room which houses scenes which could come straight from a CSI police show.

Working there, with the diligence of forensic experts, are archeologists and conservators, cleaning, cataloguing and studying the breathtaking 3,500 piece collection which makes up the Staffordshire Hoard. These modern day time detectives are using a mixture of the latest technology and Mother Nature to try to solve its many riddles. Neil Elkes reports

THERE was a eureka moment when conservator Deborah Magnoler realised that there was something familiar about the ancient gold cylinder decorated with garnet stones she was cleaning.

Read the rest of this article…

As famílias dos castelos e o tufão destruidor

No castelo de Maintenon

Meu avô tinha seus padrões, suas fidelidades, seus rancores, suas convicções. Ele tinha o senso da honra junto ao culto do passado.

Ele era a intolerância feita homem. Inflexível, sem nuances, vivia num sistema no qual não faltava nenhuma parte.

Mas pura e simplesmente seu sistema não mordia mais o mundo. Mas ele pouco se importava.

Meu avô era discípulo de Bossuet. Era leitor assíduo de Barrès, o qual escreveu: “O que amo do passado? Sua tristeza, seu silêncio e, sobretudo sua fixidez”.

Maintenon, França

Gostava de história porque ela é imóvel, tendo já entrado numa eternidade inapelável.

Ao ouvir ‘La Marseillaise’ meu avô fingia não reconhecer aqueles acordes detestáveis. Foram necessários milhões de mortos, entre os quais vários de nossa família, para nos reconciliar com ela.

E meu avô vivera bastante para vê-la transformada numa manifestação tão reacionária, e talvez até mais conservadora do que os cantos de nossos chouans e de Monsieur de Charette.

Os homens e, sobretudo as mulheres de minha família liam muito pouco. Ouço em torno de mim lamentações a propósito da ignorância dos jovens.

Maintenon, Grande Gallerie

A estes, a escola, o cinema, a televisão e as viagens tinham trazido à família ‒ na desordem e na indiferença ‒ às vezes no esgotamento mental, um maior número de mentalidades, de paisagens, de verdades e de loucuras, de certezas e de dúvidas do que a chasse à courre, o protocolo da vida de château e as lições de nosso capelão.

Assim, perdíamos as evidências; os hábitos e a familiaridade nos levavam a não mais ver as verdades banais, aquele fundo imemorial dos modos de ser e de pensar.

(Autor: Jean d’Ormesson, “Au plaisir de Dieu”, Ed. Gallimard, 1980, 626 páginas.)

GLÓRIA CRUZADAS CATEDRAIS ORAÇÕES HEROIS CONTOS CIDADE SIMBOLOS Voltar a 'Glória da Idade MédiaAS CRUZADASCATEDRAIS MEDIEVAISORAÇÕES E MILAGRES MEDIEVAISHERÓIS MEDIEVAISCONTOS E LENDAS DA ERA MEDIEVALA CIDADE MEDIEVALJOIAS E SIMBOLOS MEDIEVAIS